A saúde pública na Suíça

Não existe saúde pública na Suíça. 

Fim. 

Hahaha... Falando sério, realmente, não tem saúde pública na Suíça, mas tem um sistema que aparentemente funciona, porque a expectativa de vida da população aqui é altíssima rs. 

É obrigatório ter plano de saúde privado no país. Toda pessoa que aqui reside deve estar coberta por um plano de saúde, e mesmo se for temporário, tem que haver ao menos um plano internacional, sob pena de multa. É como o Obacamare, se isso ajudar alguém a compreender melhor. Quando alguém se muda pra cá, tem o prazo de 3 meses para contratar o seguro, e se nesse meio tempo acontecer um acidente, um imprevisto, o seguro cobrirá retroativamente. Esse tempo é bom pra ir pesquisando e tentar entender melhor como as coisas aqui funcionam. 

Pra começo de conversa não existe aquela coisa do Brasil de pagar um plano e pronto, entrar no hospital, sair, ir na consulta, assinar um papel e ir embora sem deixar um tostão. Aqui existe o sistema de franquia, tipo seguro de carro. Você pode pagar um plano cuja prestação mensal é maior, e ter uma franquia menor. Se você quiser pagar uma prestação mais leve, a franquia sobe. A franquia pode variar de 300 a 2500 Francos por ano. Isso significa que o seguro, pelo qual você paga um valor bem considerável, só vai começar a cobrir sua despesa depois que você tiver gasto o valor da sua franquia. E ainda assim, depois disso, você deverá pagar 10% do valor da sua despesa, até um teto de 700 Francos. Pesado, né? Quando a pessoa não tem condições de pagar o plano, o governo da subsídio.

O valor de seguro varia bastante de cantão pra cantão, mas eu diria que um plano individual barato não vai sair por menos de 200 por mês em qualquer lugar, e um plano caro, sei lá, o céu é o limite, acho rs... Vi coisas no valor de 500 francos por mês para a franquia mais baixa. E é nesse momento que vai valer a pena ter um corretor bom, que te indique o que é melhor pra você, e também avaliar sua necessidade. 

Aí no meio você vai encontrar umas variáveis que podem baratear ou encarecer o seu plano: há a possibilidade de ter um médico de família, a quem você deve sempre consultar antes de ir pra um especialista (o que barateia), ter a liberdade de ir no médico que você quiser sem pré aprovação (o que encarece), ter um hotline pra onde você liga e explica o seu problema e eles te encaminham para um especialista (barateia), etc... Há também os tais suplementos, que são pequenos penduricalhos que você pode por no seu plano e ter mais benefícios, como cobertura internacional, maior cobertura de hospitais, etc. Vários desses suplementos valem bem a pena, porque aumentam muito pouco o seu valor mensal, mas aumentam significantemente sua cobertura. Por exemplo, por um custo total de 20 francos por mês, conseguimos adicionar uma maior cobertura internacional, a opção de usar qualquer hospital do país e maior reembolso no caso de utilização de ambulância. Porque sim, até isso é pago, e custa caro. De acordo com os suplementos que você tem, você pode também ter alguns benefícios a mais, como reembolso de lentes corretivas (óculos), de academia (por ser ~medicina~ preventiva), etc. 

Existe um site (www.comparis.ch) no qual é possível fazer uma cotação de acordo com suas necessidades. É bem prático, e através dele você já consegue entrar em contato com as corretoras. 

O assunto é bem complexo, e dá muito pano pra manga. Muita gente reclama do sistema, porque é caro (e é mesmo), e porque te empurra a pagar sempre alguma coisa. Por outro lado acho que a facilidade que temos no Brasil nos acostumou a usar demais o plano, muitas vezes sem necessidade. Trabalhando junto ao RH nos meus últimos empregos, ficava evidente o quanto os funcionários iam ao PS quando a empresa não colocava limites. E isso se traduz na atual crise dos planos de saúde no Brasil, de como está tudo tão caro, e o porquê vários deles estão declarando falência. 

Eu ainda não tenho conhecimento profundo sobre o assunto - esse post é somente um overview - e talvez seja prematuro fazer uma analise, mas a princípio posso dizer que estou #chatiada porque queria estar indo na dermatologista cuidar da cutis sem desembolsar um centavo, rs. Brinks. Estou mesmo #chatiada por achar que um país com 8 milhões de habitantes, e tanta riqueza acumulada, talvez conseguisse manter um sistema de saúde público a la o alemão, dinamarquês, etc. Óbvio que isso se traduziria em maiores impostos, mas não sei se em mais de 200 francos de imposto por mês + 2500 por ano + 10% da despesa, rs. Realmente não sei. Fica aí essa reflexão para quem está aqui pela Suíça, e fica essa informação para quem está pensando em vir pra cá. 

Mimimi


Tem época que eu não tenho nada pra fazer e a inspiração brota, e eu vou lá e escrevo cinco posts de uma vez que depois vou soltando aqui devagarinho rs... Mas tem outros tempos, tipo os dias cinzas, frios e CHATOS que estão assolando essa Berna, que minha cabeça não produz nada além de uma vontade imensa de comer doces. E pra piorar o estoque de posts acabou. 

O inverno chegou com força por aqui. Depois de um mês e pouco aí de outono forte, com folhas amarelando, vermelhando, e colorindo a paisagem, eis que do nada as temperaturas caíram, e as manhãs nem se dão mais ao trabalho de passar de 2, 3 graus. A tarde, com sorte, a temperatura chega a 7. Sol, que sol? Pra que serve? Pois é, não tem. Segunda-feira até nevou pra se ter noção... E eu, ser do verão, do calor que sou, não estou sabendo lidar. Tenho a maior preguiça do universo de sair da cama, fico enrolando de pijama pela casa até depois do meio dia, e se deixar nem penteio os cabelos e ponho a cara na rua. Nem a visita que chegou aqui em casa me tirou do estado que eu estava. Graças ao panda pai minha amiga acatou meu conselho, fez um swiss pass, viajou todos os dias, explorou a Suíça de cabo a rabo, e tudo que eu fiz foi recebe-la diariamente com uma comidinha de mãe, feita com muito amor e culpa. 

Porém para evitar virar uma eremita reclusa medusa descabelada, eu vou lá e combino coisas que me obriguem a sair de casa, e logo me arrependo, porém vou rs. E como esse blog é meu diário, meu registro para a posterioridade, quero poder no futuro, quando eu tiver um trabalho e for uma senhora ocupada, vir aqui e morrer de inveja desse tempo que eu podia me dar ao luxo de não fazer nada além de perambular pela rua e falar bobagem na internet. Que fique aqui o registro do meu mimimi, bem ilustrado pelas minhas tentativas de ser um ser humano normal e digno:
Tipo esse dia aqui...
.. que eu fui num tour guiado em alemão numa exposição filosófica em Zurich rs...
... e apesar de estar até agora sem entender o que se passou por lá, fui agraciada com um belo entardecer 
Ou esse dia que eu saí procurando animais e encontrei ovelhinhas...
... cabrinhas...
...e essa espécie que nada pelada no rio cuja temperatura da água está 10 graus
Ou esse dia que fui caçar arte de rua...
...e encontrei verdades
Ou esse dia aqui que as 9h da noite me bateu vontade de comer bolo de cenoura, as 10h ficou pronto e as 11h eu tava me segurando pra não comer a forma inteira
E aí que pra não dizer que só vim aqui e reclamei, venho a público (porque eu sou dessas que só funciona com promessa pública e olhe lá rs) prometer que:
- segunda-feira voltarei a correr - sim, segunda-feira mesmo, porque hoje já é quinta a noite e deve dar mau agouro começar a correr nas vésperas do fim de semana; 
- irei continuar me locomovendo de bicicleta até a neve grossa chegar, apesar de toda a preguiça do mundo; e
- seguirei procurando beleza nessa pequenina porém charmosa cidade gelada onde amarrei meu burro. 

Oremos. 

Economizando na Suíça

Assunto difícil esse, heim?! Haha.. a Suíça é famosa por ser cara, e infelizmente faz muito jus à fama. É cara mesmo, e economizar não é muito uma coisa fácil por aqui. Mas da sim pra visitar a Suíça e tentar gastar menos. Mas como?

SBB Mobile
Acho que a primeira coisa é esse app. Se você for comprar um Swiss Pass - o passe que dá direito ilimitado a toda rede de transporte do país - essa dica não é pra você (no sentido de economizar, mas o app te ajuda muito a navegar e programar suas viagens). Mas caso você não vá ficar dias suficientes pra comprar um pass, ou esteja indo pra algum lugar específico, o app vale muito a pena, porque nele é possível encontrar passagens de trem com até 50% de desconto. No geral são trens fora do horário de pico, mas já é uma ajuda, não? Normalmente os descontos vão estar sinalizados com um sinalzinho preto de %. Mas ainda assim se não tiver sinal, tente selecionar a passagem e quando você rolar a página de preço pra baixo, vai aparecer algumas opções de preço, como o ticket com desconto, o custo para mudar de classe, o day ticket, etc. Aí se tiver com desconto, só selecionar ele. O app funciona normalmente em inglês, então fica mais fácil (e pra quem fala francês ou italiano, também):
Tosquinho e em alemão, porém ilustrativo. Dá pra ver como é pra ser a tela, né?
Dê uma conferida no aluguel de carros
Muitas pessoas pensam na Suíça e associam diretamente aos trens. As pessoas vem pra cá e querem andar de trem. E é realmente muito bom andar de trem por aqui, porém se você estiver em grupo pode não valer a pena (em dupla as vezes vale, as vezes não). Por exemplo: minha amiga chegou no aeroporto de Basel com o marido e precisava vir pra cá. Como na antecedência ela não achou passagem com desconto, ela fez a matemática rápida: os dois de trem para Berna ida e volta ficaria 180 francos, e o aluguel de carro para os dois dias saia 110. Então compensou. E ainda por cima, com o carro, acabamos indo para a montanha (coisa que para eles sairia outros 160). Mesmo com a gasolina, que aqui não é muito cara, vale a pena. Acho, portanto, que é uma possibilidade que deve ser explorada quando der.

Coop e Migros
Chegando na Suíça você vai ver esses nomes em todos os lugares. São duas redes de supermercado que quase monopolizam o varejo na Suíça, e vendem muito mais do que comida e produto de limpeza. Nos mercados na hora do almoço é possível encontrar lanches e comidinhas a preços mais ok. Mas o melhor mesmo são os restaurantes. Quase todas as cidades tem no centro um Coop Restaurant ou um Migros Restaurant, onde é possível comer bem a preços mais convidativos. Claro que não é onde você vai comer o seu fondue, mas convenhamos que você não vai comer fondue todo dia no almoço e na janta, né... Tem saladas, massas, sanduíches, por preços ok para a Suíça. Nas estações de trem também tem o Migros Take Away, e os sanduíches são grandes e gostosos, em torno de 6 francos.

Primavera/Verão
Eu sei que tem gente que ama o frio, mas eu digo que sai mais barato viajar quando o tempo está mais quentinho. Simplesmente porque dá pra passar o dia pra fora, sem precisar sentar num café pra esquentar. Em julho eu e Mati saímos no nosso mês pela Suíça, e levávamos sanduíche e petisco de casa, sentávamos pra comer em parques, fazíamos trilhas, nadávamos em lagos, e isso tudo é praticamente de graça né. O melhor da Suíça, que são as paisagens, é gratuito. No inverno acaba-se gastando mais, porque é inevitável, depois de um tempo andando no friozão, você quer é se esquentar, e acaba entrando em algum bar, café, restaurante. E um café aqui pode, fácil fácil, custar 5 francos.

Tomar água das fontes
Sei que é difícil pra muito brasileiro acreditar, mas a água de todas as fontes por aqui é potável, pronta para consumo. Quando acontecer a raridade de não ser, vai estar escrito bem ENORME que a água não é potável (spoiler: no nosso mês pela Suíça, isso aconteceu uma vez). Então, o meu conselho é: compre uma garrafa de água no mercado, e depois que beber tudo é só ir enchendo ela nas fontes que você encontrar pelo caminho. Saia com ela todo dia de casa, e pronto. Ta feita uma bela economia. Uma garrafa de água no mercado aqui custa em torno de 70 centavos, mas num restaurante ou quiosque pode custar desde 3 até 5 francos (e no restaurante do trem é o mais caro possível).

Reservar equipamento online
Vai vir pra Suíça esquiar? Já disse, se quiser economizar mesmo, melhor mudar a rota e ir pra França, Áustria, Polônia, hahaha.. Mas ta por aqui e quer esquiar nos Alpes suíços? Faça a reserva dos equipamentos online, pois há sempre desconto. Por exemplo, ano passado antes de comprar meu equipamento, cheguei lá na loja e aluguei para já vestir e sair usando, e paguei 78 Francos para esquis, botas e capacete. To olhando aqui, e na mesma loja, reservando online, o mesmo equipamento sai por 61. Essa diferença aí já cobre um lanche entre uma descida e outra na pista, rs. Em qualquer estação na Suíça vai ter uma loja da Intersport, ou outra que você encontre pela internet, e vale muito a pena fazer essa reserva. E se for esquiar vários dias, já reserva logo tudo de uma vez, porque quando mais dias você fica com o equipamento, maior a redução no preço (por ex, ontem minha irmão reservou numa loja aqui para dois dias, e saiu 100 francos, ou seja, 50 por dia - o que já é mais barato que o 61, neam).

Se eu lembrar de mais coisa, ou aprender coisas novas por aqui, faço uma segunda edição desse post. Mas acho que é um começo. E devemos ter sempre em mente que de 5 em 5 francos, aqui se economiza muito, então algumas pequenas economias podem te salvar uma boa quantia no fim da viagem. 

Livro, cinema e música

Eu sei que to atrasada porque a série foi febre e todo mundo já viu (e eu não), mas esse mês eu li Big Little Lies e fiquei viciada no livro. É uma leitura tão envolvente, uma tensão crescente, uma amizade bonita, mulheres fortes, personagens interessantes, que você não consegue parar de ler. Fiquei curiosa para assistir a série, mas com aquele medinho básico de "estragarem" algum personagem. Acabei lendo algumas coisas na internet e vi que eles mudam um pouco alguns personagens, então mesmo para que já tenha assistido a série na tv, vale muito a pena a leitura. 

* * *
Eu estou bem por fora dos filmes, simplesmente não ando vendo muita coisa. Mas quando você ta dentro dum avião, não sobra muita coisa pra fazer, né? E foi aí que eu assisti Baby Driver e fiquei apaixonada. Já tinha lido ótimas críticas sobre o filme, que é sobre um motorista de fuga e sua relação com a música. A trilha sonora vale o filme inteiro, as sequências de ação são maravilhosas ( e olha que eu não gosto de filme de ação), e o elenco é bem poderoso. Notei também que metade do avião estava vendo o filme haaha.. tanto na ida quanto na volta. 

* * *
Troquei de telefone, e na hora de ajustar minhas contas, Apple id, etc, fiz uma cagada e acabei perdendo todas as minhas listas feitas com o Apple Music. Pois é, eu não usava Spotify, e to querendo usar quando ajustar tudo de novo no telefone. Pergunta: alguém que já usou os dois tem alguma preferência?

Shopping Tips

Que muita gente gosta de ir aos EUA pra fazer compras não é novidade. Eu devo dizer que embora tenha uma Becky Bloom escondida em algum lugar dentro de mim, não sou das que gosta de comprar por horas e horas a fio, ou de fazer viagem de compras. Não tenho paciência. Mas a verdade é que pra quem mora no Brasil - ou na Suíça, ou em qualquer outro lugar meio caro - comprar certas coisas nos EUA pode ser sim muito vantajoso, e se você está de viagem marcada, vale a pena investir algum tempo. 

Pela internet afora você vai encontrar várias dicas sobre os outlets espalhados pelos EUA. Eu devo dizer que as vezes em que fui em outlet foi quando eu morava no Wisconsin, e tinha um na minha cidade. Ou quando eu fui a trabalho pro Michigan algumas vezes, que também tinha um outlet perto da minha empresa. A real é que esses outlets sempre ficam fora da cidade (por exemplo, próximo a NYC, eles ficam em New Jersey), demandam programação, transfer, e eu acho uó perder dia de viagem comprando. Gosto de entrar numas lojas pelo caminho.

Eu nunca gostei de inverno nem de calça comprida, rs. Então tinha pouquíssima roupa de frio, e por isso precisava dar uma turbinada no guarda-roupa, né. Nas minhas últimas idas aos EUA eu me joguei mesmo foi nas famosas discounters, as lojas de departamento que vendem coleções antigas por precinhos amigos. Tem que fuçar bem, as vezes parece um entulho de coisa zoada, mas sério, da pra achar muuuuita coisa boa. 

É a minha favorita. É uma lojona imensa, tem muita coisa boa, trabalha com marcas bacanas. Está espalhada por todo os EUA, e tem uma irmã europeia, a T.K.Maxx. Em Minnesota, que é um estado geladíssimo, encontramos muitas coisas pro frio, tipo casacos North Face, roupas de ski, tudo por 1/3 do preço. Claro, são coleções passadas, mas foda-se, né. Agora em outubro fora de época bombada de compras, a loja estava muito boa, compramos casacos ótimos em Minneapolis, e vimos muita coisa legal na California. Fomos em dezembro na California e a loja tinha sido depenada pro Natal. Ou seja, as vezes você vai encontrar muita coisa, as vezes vai se decepcionar, normal. A seção de casa também é incrível, com lençóis de trocentos milhões de fios por 20 dolares. Alias, tudo vale a pena.. seção de calçados, de casa, de cosmético, de pijamas hahaha...
Um corner organizadinho na TJ 
Marshalls
Digamos que em termos de seleção de produtos está no meio, entre a TJ Maxx e a Ross, que ainda vou falar. Tem muita coisa boa, bem legal. Seção de casa também maravilhosa.

É a versão miserável da TJ Maxx. A vontade de cavucar entulho aqui tem que ser maior, mas na seção de esportes da pra achar muita coisa boa. De novo, vi muita coisa bacana e de qualidade pro inverno. Comprei várias leggings daquelas que por dentro são fleece, por 5 dólares. Tinha muita coisa da Calvin Klein, Under Armour, North Face, Tommy. Comprei também um fone de ouvido Bluetooth super bom por 24 dolares, e tinha outros por 16. Nessa última ida a seção de cosméticos também estava bem boa, comprei várias bath bombs por 2 dólares :)

Designer Shoe Warehouse. Se você tem compulsão por sapato nem passe perto. É uma loja que vende sapatos de coleções passadas com muito desconto. Já vi bota UGG por 70 dólares, por exemplo. Tem tudo que é marca, sapato de todo tipo. Tênis, salto alto, sandália, bota, tudo. Comprei de Natal pra Mati uma bota que aguenta frio de até -35, pra mim uma botinha de salto. É maravilhosa!

Essa é boa porque tem uma bem no vuco vuco em NY, pertinho do World Trade Center. Além das roupas no geral, achei a seleção de bolsas e carteiras muito boa, também de vestido de festa, e mesmo esquema... coisas por até 1/3 do preço comum.
E é bem bonita
Nordstrom Rack
A Nordstrom é a conhecida loja de departamentos phyna e cara. Nordstrom Rack é a nem tão conhecida prima pobre, pra onde vão as peças das coleções passadas. A seleção é animal, afinal de contas, o que tem na Nordstrom é animal. Muita bolsa grifada, sapatos grifados por precinhos ótimos, e muita roupa em todo range de preço. Foi onde quase dei uma pirada, mas chamei a cabeça pra juízo. Mas da pra achar muita coisa legal por preço bacana! Matt comprou tenis, eu já comprei lá carteira, óculos de sol. Por exemplo, nessa última ida, tinha óculos Gucci e Dior por 100 dolares, o que é bem barato.

Não é discounter, mas é mara. É um grande supermercado, na real. Você vai encontrar roupas, sapatos, bicicleta, livros, shampoo, mesa, cadeira, frutas, livros. Você pode entrar homeless e sair de casa mobiliada com geladeira cheia e armário bombado haha. Eles não trabalham com marcas famosas, mas tem bastante coisa de qualidade, inclusive uns pijamas maravilhosos de macios e fofinhos. Tem muita coisa legal pra casa, de decoração, e se você é como eu, uma criança que não sabe se comportar em papelaria, fuja dessa seção.

Estando em NYC, tirando a Century, acho difícil você topar com uma dessas (mas tem uma ou outra). Normalmente essas lojas ficam em bolsões comercias em avenidas do subúrbio. Eu honestamente não acho que valha a pena perder meio dia em NYC pra ir atrás de compras, seja em outlet, seja no subúrbio. Mas se você for pra LA, Miami, Chicago, ou qualquer outra grande cidade, você irá passar na frente de uma dessas sim, e vale muito a entrada.

Por fim, a dica MAIS útil: antes de se enfiar numa loja dessas - ou melhor, antes de ir pros EUA - faça uma lista do que você precisa. É tudo muito mais barato, e por isso mesmo é fácil pirar e sair comprando um monte de coisa que você não precisa, não tem espaço pra guardar e se bobear nem dinheiro pra pagar. Porque de 20 em 20 dólares você pode gastar mil, vai por mim.

Visto para o Canadá

Acabamos de voltar dos EUA. Fomos fazer uma visita express à família de Mati e também ver nosso baby amado. Estávamos com os alertas ligados, e em agosto achamos uma passagem da Air Canadá com um preço ok. Como eu já tinha lido em algum lugar que brasileiros com visto de turista (não residente) para os EUA não precisariam mais do visto burocrático canadense, mandei brasa e compramos. 

E é isso mesmo. Desde maio os brasileiros que tem visto válido de turismo para os EUA (B1/B2) não necessitam mais passar pelo processo de visto para o Canadá, que, alias, é bem chatinho. Hoje em dia para essas pessoas só é necessária uma autorização eletrônica, algo como o ESTA dos europeus pra os EUA. Faltando um mês para a viagem resolvi dar andamento no assunto, porque sabia que o processo do eTA (electronic travel authorization) depende de aprovação, e caso o seu eTA seja reprovado você deve comparecer a um consulado e eu não queria passar por perrengues de última hora - tipo esse, contado pela Dri do DriEverywhere

Entrei no site oficial do governo canadense e é tudo bem fácil. Há inclusive uma página explicando em português do Brasil como preencher o formulário, que é em inglês. Você precisa preencher seus dados pessoais, dados do visto americano e dados do passaporte válido. Depois, responder umas perguntinhas de praxe, tipo se você já cometeu crime em algum país, se já teve visto negado por algum país, etc. Nessa hora fiquei meio agoniadinha porque perguntava lá qual a minha ocupação, e tive que colocar desempregada né rs. Mas ok, segui preenchendo tudo corretamente. Alias, acho que isso é muito importante: por mais que dê vontade de dar uma floreada e deixar as coisas mais bonitas, segure a sua onda e fale sempre a verdade nua e crua. No fim, havia um campo para observações, e eu coloquei lá que estaríamos no Canadá somente para conexão. 

Ao final do preenchimento, você é direcionado para uma página onde deverá efetuar o pagamento de 7 dólares canadense. O pagamento pode ser feito com cartão de débito ou crédito. Como eu paguei no crédito, não sei como funciona no débito, mas estava escrito lá visa eletron. Com a confirmação do pagamento, apareceu uma mensagem na tela me pedindo para salvar o recibo, e depois explicando que a minha solicitação seria avaliada em até 72 horas, e então eu receberia um email ou com a aprovação, ou explicando o que fazer em caso de negação. Importante notar que se for negado, não é que você está proibido de entrar no país, mas terá que tirar o visto normal, burocrático, num Consulado ou Embaixada. A real é que menos de 5 minutos depois recebi a aprovação no meu email, super rápido. 

Na hora do embarque em Zurich o comissário da Air Canadá pediu para ver meus documentos, meu visto americano, checou coisas no computador dele e me liberou. Chegando lá, mesma coisa. É muito prático, porque não precisa apresentar papel nenhum, nada, é tudo eletrônico no sistema. Claro que eu tinha na mão o celular com o email enviado pelo sistema de imigração canadense, no qual constava a aprovação do meu eTA e o número dela. Mas não precisei mostrar em momento algum.

Achei super fácil e simples, e me deu um ânimo extra para incluir o Canadá na minha lista de países a visitar. Não que antes eu não tinha vontade, mas me sobrava preguiça, porque o processo de visto lá era chato, caro, e eu conheço pessoas que tiveram o visto negado. Mas agora já fiquei bem animadinha :) Enfim, para quem estiver pensando no assunto, ou vir uma passagem barata pela AirCanadá, fica aí a dica!

Rota: Berna - Domodossola - Locarno

Desde que começamos o nosso mês de férias sabíamos que queríamos passar uns dias no Ticino, a região da Suíça italiana. Seria o único lugar onde passaríamos noites fora de casa. Por lá o clima é sempre mais quente, e tínhamos ouvido dizer que é mais ou menos uma Italia mais organizada, rs. Fomos meio que empurrando a viagem pro fim do mês, porque o clima pro lado de cá estava muito bom. No fim, acertamos em cheio: deixamos o Ticino para a última semana de julho, quando a temperatura aqui despencou e por lá o verão seguia firme e forte. 

Saímos de Berna em direção a Visp, no Valais, debaixo de chuva e com temperatura de 12 graus. O trem passa em Thun, Spiez, e depois atravessa o Lotschberg para chegar no Valais. O Lotschberg é um dos grandes túneis suíços, são mais ou menos 12 minutos para cruzar a base da montanha de mesmo nome, e quando você sai do outro lado, a paisagem é diferente, e as vezes o clima também. Nesse dia, a chuva já tinha ido embora. Em Visp trocamos de trem e partimos rumo à Domodossola, na Italia. A viagem é bem curta, meia hora somente. E depois de passar em mais um túnel, tcharam.... SOL! Pronto, já estava paga a viagem :) 

Domodossola é uma cidade pequena no norte da Italia, já na região do Piemonte, mas beeem próxima da fronteira, e acho que pela proximidade com a Suíça, é bem comum ver bandeiras do país por lá. Saímos da estação central já super animados e fomos andar pelas ruazinhas, e melhor, já com calor, rs. É uma graça de cidade... vimos mercado de rua, gelaterias e o melhor, um baita clima italiano. 
Pracinha fofinha
E ruas com a Igreja ao fundo
Colunas
E italianos vivendo a vida <3

Depois de andar um pouquinho, e babar com essa praça central, resolvemos encontrar um lugar para comer. Temos uma teoria de que é sempre melhor comer fora da praça, rs... e acabamos achando um restaurantinho agradável numa das ruas transversais. Detalhe: entrada, prato principal, café e água por 10 euros. Infelizmente não anotei o nome na hora e acabei esquecendo :(
Saudades Italia
E a vista da nossa mesa :)
Rodamos por ali mais um pouquinho, e realmente, pela cidade não tinha mais o que ver. Imagino eu que quem queira passar mais tempo por lá deve fazer trilhas nas montanhas que as rodeiam. É uma cidade pequenina, mas que vale muito o passeio, só pelo clima italiano envolvido. Ouvir as pessoas falando essa língua tão linda, comer tão bem, e contemplar a paisagem. 



Pegamos então o trem Domodossola - Locarno. Tínhamos ouvido falar que o passeio é super bonito, e por isso escolhemos essa rota (e não o caminho mais rápido para o Ticino, por Zurich e o Gotthard, outro tunelzão). O trem tem vagões normais e outros panorâmicos, e para quem segue no panorâmico e solicitada uma contribuição no valor de 1 euro ou franco. A viagem segue montanha acima, se embrenhando na mata, passando por vilas minúsculas com construções de pedras, vales, rios e cachoeiras. É absurdamente linda. Eu fiquei tão vidrada na janela que quase esqueci de tirar fotos, mas fiz alguns registros bem ruins com o celular rapidinho rs (e alguns stories na época).


Da pra ter uma ideia da beleza do caminho, né?
A chegada em Locarno é o fim da viagem. Estamos no Ticino, com palmeiras, organização e preços suíços, rs. Em breve, mais dessa região maravilhosa por aqui. 

Follow @ Instagram

Back to Top